Viagem à Itália

Antes de escrever sobre a viagem, a escolha do local para morar e como foi se instalar na nova casa, quero contar como senti deixar a Espanha e os espanhóis.

Foi uma emoção diferente, que não esperava. Não imaginava que esses 345 dias de Espanha, iriam criar um sentimento de vinculo e cumplicidade. A cada despedida, sentia um aperto no coração, como quando estamos comendo o último pedaço de um belo prato ou o último gole de um bom vinho. A vontade de quero mais um pouco. Acredito que isso é bom, e me mantem com desejo de voltar à Espanha, reencontrar os novos amigos e de ter tido boas experiências.

Organizar a mudança foi legal, me lembrou dos fins do ano no Colégio Militar de Curitiba. Quando recebia o boletim com a aprovação, gostava de limpar as gavetas, jogar fora cadernos, livros e tudo mais que acreditava não ser útil, enchia sacos de papéis, provas, trabalhos, etc., tudo para o lixo, que venha o ano novo.

Nessa mudança foi parecido, fui dando ritmo aos trabalhos e as atividades para não ficar nada sem concluir, assim nos últimos dias, fui finalizando cada um deles. No penúltimo, arrumei as malas, empacotei os trabalhos, desmontei a moto, as bicicletas, joguei fora tudo que acredito não ser necessário (pouca coisa, pois agora procuro não acumular), por fim carreguei os carros, comecei às 8hs e as 18hs terminei.

No último dia em Alicante, passeei, curti a casa, fui aos locais que mais gostei, tomei banho de sol “pelado”, um dia de descanso e sem qualquer compromisso.

Dia 01/04/12, saímos de Alicante, deixar a casa, a praia, o sol. Fomos até Valencia para o último encontro de despedida, mais emoção. Sensação de etapa concluída. A partir de Valencia passando por Tarragona e depois Barcelona, onde dormimos e ficamos um dia fazendo turismo. Nesse trecho, lembrei quando fiz o mesmo percurso de motor home, belos locais.

Meu amigo de infância Espanhol foi conduzindo o Smart e eu com a minha esposa fomos com o outro carro. Seguimos viagem à Aix-en-Provence, França onde dormimos. Dia seguinte, passamos por Mônaco e chegamos a Florência. Um total aproximado de 1.600 km, pouco para o Brasil, mais uma boa distância para a Europa.

O local que reservei pela internet foi em Calenzano, fica a 15 km do centro de Florência, com o trânsito dá 35 minutos. O local é bonito, porém longe da cidade, principalmente pelo grande trafego da região.

Intencionalmente não procurei saber como era Florência e a Toscana, preferi ser surpreendido e deixar para o inconsciente a pesquisa. Imaginava uma cidade pequena, com vales e colinas. Foi diferente, a região metropolitana tem mais de 1 milhão de pessoas,  carros para todos os lados, um trânsito complicado, uma enxurrada de turistas,  fica em um vale com o rio Arno cortando a cidade ao meio, cercada por colinas e montanhas.

Nessas primeiras 3 semanas de Itália, tivemos 18 dias de chuva, isso deve ser para compensar o tempo de sol que tive em Alicante, acho que em 7 meses tive uns 3 dias de chuva, o restante céu azul e muito sol.

Os primeiros dias ficamos passeando pela cidade e nos seus arredores, de carro e a pé. Depois de alguns dias meu amigo Espanhol voltou para sua casa, aí chegou outro amigo Italiano, um peregrino. Ele veio ficar 3 dias conosco, ajudando com o italiano e na procura da casa para morarmos. 

Tentar falar italiano tem sido interessante, estou misturando tudo, português, espanhol, inglês, italiano, em conversas cara-a-cara tem funcionado, mas por telefone é complicado.

Uma coisa bastante diferente da Espanha é que, nas casas por aqui, não tem placas de vende-se ou aluga-se, (com raras exceções) tivemos que ir às imobiliárias e na internet para ver as fotos das casas, depois fomos pessoalmente conhecer os locais que imaginamos ter gostado pelas fotos.

À medida que ia conhecendo a cidade e as opções de casas, fui ficando em dúvida se Florência seria o local que desejava morar, comecei a pensar em cidades menores e mais tranquilas, mesmo que isso significasse uma redução na oferta cultural e de cursos.

Em um domingo resolvi ir visitar Siena, achei a cidade bonita, seu entorno mais tranquilo, menos muros, mais campos e colinas. Não deu outra, deixamos Florência e fomos buscar opções em Siena também.

Foram 21 dias de pesquisa, vimos 29 casas e falamos com 35 imobiliárias, fora dezenas de anúncios via internet. Quando fiz esse processo em Alicante estava sozinho e tinha bem claro a região que queria morar, era uma extensão de 10 km na praia. Na Toscana, não estou sozinho e a região é qualquer local com uma bela vista próximo a cidade.

Comecei a catalogar todas as casas com avalição de pontos positivos e negativos, vou relacionar os pontos que achamos relevantes para a nossa decisão, claro que existem critérios inconscientes que influenciaram a escolha. Agrupei em 4 categorias, um  ponto extra, é claro, foi o valor do aluguel.

 

1)      O Entorno

Localização (Colina, vale, cidade, campo,...)

Distância e tempo para o centro da cidade

Relevo do terreno

Acesso (subida, descida, pavimentado,...)

Barulho / Silêncio

Vizinhos / Arredores

 

2)  Tamanho

Total, da sala, dos quartos, dos banheiros, da cozinha

Casa térrea, sobrado, germinado, primeiro piso

Disposição dos aposentos

 

3)  Interno

Luminosidade interior, janelas

Móveis, antigos, novos, bem mobiliada

Decoração

Arejada, temperatura interior no verão

Estado de conservação interno, externo, jardim, móveis

 

4)  Exterior

Vista

Por do sol e nascer do sol

Jardim

Terraço/Varanda

Área externa (lazer)

Estacionamento para 2 carros

 

Uma dificuldade foi definir prioridade e dar peso aos pontos. Sempre existiram pontos positivos e negativos, a dúvida é descobrir o que aceitamos abrir mão e o que dar maior importância. O mais difícil foi não ter uma ideia clara do que é mais importante nesse momento.

Mais alguns pontos relevantes para o processo:

- Muitas casas que vimos pela internet não estão disponíveis, são apenas chamariz.

- Estávamos procurando algo por apenas 6 meses.

- Não existem placas de aluga/vende nas casas.

- Muitos locais são vilas fechadas, sem acesso.

- Ruas estreitas com muros altos, não é possível ver o que tem do lado de dentro.

- Proibição de construir novas casas no campo, deve-se restaurar casas antigas.

- As casas no campo são antigas, algumas construídas no século III.

 

Acabei refletindo sobre a possibilidade de viver em um apartamento no centro, existem belos locais restaurados, mas pensar que não teria jardim para pisar, a dificuldade de acesso, barulho na rua ou vizinhos, me afastaram dessa alternativa.

Para terem uma ideia das opções, tivemos a oportunidade de alugar a casa que viveu Nicolau Maquiavel. Uma surpresa foi que em várias casas a cozinha é pequena e escura, porém em algumas com estilo toscano, tem belas e espaçosas cozinhas. Uma forma de manter o calor no inverno e o frescor no verão é ter janelas pequenas com pouca iluminação e paredes com até 1 metro de espessura, a falta de janelas grandes e luz me desagradou em várias alternativas.

Os italianos são muito criativos com os móveis e com a decoração, vimos locais muito bem mobiliados que demostram a grande habilidade nessa área. No entorno, tanto de Florência como de Siena existem diversas cidades com características medievais, com lojinhas de produtos típicos, restaurantes, igrejas, museus, praças, fontes, estátuas, muralhas, palácios, torres, castelos, tudo restaurado e bonito. No campo, colinas lindas, com plantação de olivas, parreiras, trigo, girassol,...., flores silvestres coloridas, uma paisagem maravilhosa.

Encontramos muitas pessoas simpáticas e acolhedoras que foram nos dando dicas para facilitar nossa vida na Itália.  A comida é muito boa, massas e molhos dos mais variados tipos, risotos de várias possibilidades e pizzas, sem falar no vinho.  E para a hora do happy-hour, um aperitivo da moda, Spritz, um drink com prosecco, Campari ou Iperol com uma rodela de laranja e gelo.

Estamos tendo que nos readaptar ao horário de refeição, de acordar e dormir, aqui na Itália é igual ao Brasil, ou seja, muito diferente da Espanha.

Depois de toda essa pesquisa por casas, selecionamos duas alternativas em Siena e duas em Florência. Nem uma era 100% o que queríamos, mas já estávamos cansados de procurar e já havíamos encontrados locais razoáveis.

E agora, qual cidade escolher? Não consegui decidir de uma maneira racional, joguei a moeda. Cara para Florência e coroa para Siena. Brindamos a melhor escolha e vimos o resultado, deu Siena.

A negociação final para definir o valor do aluguel da casa foi um pouco difícil, pois não tratávamos diretamente com o proprietário, o corretor fazia o papel de mediador. Não gostei desse processo, além da dificuldade com o idioma, não tinha a possibilidade de sentir como a outra parte respondia aos argumentos e as propostas. Assim, o acerto final foi apenas na hora de assinar o contrato. Acabamos escolhendo a última casa que vimos!! Interessante não?!

O processo de entrar na casa nova (não é tão nova assim, tem 700 anos) e se instalar foi parecido com o da casa em Alicante, fomos ocupando e reconhecendo cada espaço, fomos impregnando os ambientes com nossa energia, fomos gradativamente sentindo-nos em nossa casa. Fizemos a primeira refeição, a primeira compra, o primeiro brinde,..., eu gosto desse processo, das descobertas, do novo.

Agora, estou começando a caminhar nos arredores, conhecendo trilhas, estradas, descobrindo atalhos, me ambientando com a cidade, com a casa, com as pessoas.

Criei um álbum com o nome Itália, lá tem fotos desse primeiro mês de Itália.

Meu endereço é Strada Pieve a Bozzone 88, casa 3, Siena, Itália, 53.100, o telefone é (39) 342 688 4413.

Ciao!!!! 

Comentários  

 
0 # Novas SinapsesTexe 07-05-2012 16:46
Oi Clovis e Jô,
Tem um tempo eu também tive a experiência de uma nova casa, foi na chácara. É uma delícia pensar em como se quer viver em outro ambiente, com diferentes perspectivas de convívio, de uso e de vida.
Novas sinapses são sempre bem vindas, prefiro mudar mais constantemente do que ficar na mesma rotina e escovar os dentes com a mão trocada !!!! hehehehe
Grande abraço e uma nova boa experiência ai para vocês.
Teixeira
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
0 # RE: Novas SinapsesClovis Fernando Greca 04-06-2012 15:54
Oi Amigo! Como voce mesmo escreveu, é preferivel fazer isso cotidianamente, porem a dificulade é não exagerar nas mudanças e/ou na acomodação. Nosso ser necessita de rotina para assimilar o conhecimento e permitir o aprimoramento. Mudança gasta mais energia que passividade, estamos dispostos a isso?!!!
Mudar constantemente vira uma rotina e nao serve mais ao objetivo!!!
Ciao!!
Responder | Responder com citação | Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

For a professional business hosting we highly recommend hostgator review or cloud hosting
Joomla Templates designed by Joomla Hosting